A Livraria das Obras Inéditas


As epístolas eram sempre de amor
06/20/2007, 5:07 am
Filed under: Crônicas

São inegáveis os benefícios que o Ctrl + c e Ctrl + v, vulgos cortar e colar, trouxeram para a vida de pseudos ou pretensos escritores (como eu) e escritores de verdade. Sem falar na internet e toda essa coisa de e-mail, o celular e as mensagens, e etc… Mas o que eu fico me questionando é: ninguém sente falta da boa e velha carta?

A caligrafia era a aparência do pensamento. As palavras, que estruturavam o pensamento e os domavam dentro de um sentido, tinham sim um corpo: o de quem escrevia. Você podia tê-las ao invés de só lê-las e, dessa forma, apertando o papel com a escrita do remetente contra o peito estava, no fim das contas, abraçando a pessoa. Hoje, que graça tem apertar a tela ou melá-la com um beijo? As letras são padronizadas e muitas vezes o sentimento também através dos spans, abreviações e emotions. É impagável um “sinto sua falta”, com a tinta da caneta manchada por uma lágrima como prova incontestável de sentimento. Ou com o perfume do quarto, da casa da pessoa…

Tem também a questão do tom que fazia da escrita um ato artesanal de escolha e ordenação de palavras que exigiam muito mais do remetente (remetente! Alguém usa essa palavra?). Tá certo que um bom texto, seja ele escrito ou digitado, sempre prima pelo tom. Mas eu estou falando de cartas! Hoje você não escolhe muito as palavras para colocar em um e-mail. Pode escrever uma ofensa e colocar uma carinha feliz de um emotion ou rsrsrsrs que está tudo bem. Eis o tom e para quê brincar com palavras?

Sinto falta também de algumas práticas como, por exemplo, fazer meus papéis de carta (e também de colecioná-los). Desenhava florzinhas, coloria as folhas com pó de lápis de cor e esfumaçava com algodão. Colava purpurinas (para glam friends), recorte de fotos de cantores, recortes de jornais, mandava pétalas de rosa para perfumar, enfim, todo o sentimento na palma da mão… A pessoa recebia aquilo e valorizava mais porque sabia que tinha sido feito exclusivamente para ela.

Sem contar a deliciosa desordem dos papéis. Contemplar o caos das caixinhas e latinhas que guardariam para sempre as cartas além de ficar especulando sobre o futuro como naquela música do Chico Buarque, em que os escafandristas encontram o tal do “amor que deixei para você…” que nem o fim do mundo destruiria. Agora os emails? Um simples vírus ou hacker e lá vai mais uma história não documentada.

Anúncios

2 comentários so far
Deixe um comentário

me manda uma carta, Daniela ?

eu tenho uma lata novinha – e vazia – esperando receber pó de lápis de cor e restinhos de purpurinas felizes. de verdade, como isso faz falta !

Comentar por Isadora

Holiday! rs… Vamos combinar uma troca de epístolas? Eu vou começar a escrever a sua e mais, vai seguir pelo correio! beijocas

Comentar por Débora Piacesi




Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: