A Livraria das Obras Inéditas


A invasora
05/12/2009, 6:12 pm
Filed under: Escrito em confete

As arrogantes traças pensam que podem se alimentar do tempo. Adoram comer aqueles livros amarelados dando a desculpa esfarrapada: “estão esquecidos mesmo”. Ontem, quando eu curtia meu trono junto com umas poesias do Mário Quintana, uma escorregou e ficou lá no piso do banheiro andando lesmeticamente toda, toda… Bem vi que duas letras numa palavra – m…s – me roubavam todo o sentido do poema. Desgraçada! Tirei o relógio de pulso e esmaguei-a com requintes de crueldade. Há há há há… Agora quero ver sua marcha fúnebre, safada! Tic-tac tic-tac. Conheceu papuda! Acha que pode desobedecer as leis de meu reinado?

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: