A Livraria das Obras Inéditas


Eu, que nem aranha sou
11/18/2009, 6:02 pm
Filed under: Poesias

“(…) a fada, uma vez satisfeita sua paixão, pode sacrificar seus amantes”. Jorge Luis Borges

Tentei pegar uma borboleta pela asa e um pedaço saiu na minha mão.
Ou ela é muito frágil ou eu sou muito bruta.
Do pó de suas asas fiz sombra para os olhos.
Pesou minhas pálpebras, apagou o mundo e depois me acendeu.
E agora, meu Deus?
A fada sem asas o que é?
Um inseto cheio de patas que vai morrer por não ter o que fazer.
E eu que só queria jogá-la pela janela acabei eu mesma caindo dela.
Sozinho ficou o bicho agonizando no centro da sala, no meu tapete de barbante.

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: