A Livraria das Obras Inéditas


Romantismo no século XXI
08/11/2012, 6:59 am
Filed under: Poesias

Só posso ser feliz contigo, se o tempo parar agora,

se as palavras se silenciarem em nós,

se nossos lábios se juntarem

e os maxilares relaxados, sem articulação,

acalentarem a língua desmaiada.

Se a nossa pele grudar com a gosma de decomposição,

que é bem mais eficaz que este abraço,

posso experimentar a felicidade em você.

Pra ser feliz comigo, esse coração cretino deve enfartar,

deve me apunhalar e cumprir sua missão,

diluindo no escuro deste quarto o noticiário, nossos amigos,

o porteiro, as calçadas, as filas, a chave, o café,

os livros, um rock no leitor portátil de áudio, o sorvete de limão.

E então, quando o tempo fizer piada da nossa história,

nossas costelas estarão embaraçadas, empilhadas,

num monte que não vai parecer com nada.

Fora do mundo, pois.

Delicados, porém.

como outrora fomos distraídos, enfim.

Anúncios
Comentários Desativados em Romantismo no século XXI


Meu bilhete
03/16/2012, 2:39 pm
Filed under: Escrito em confete, Poesias

Se tu me amas, grite!
Como se seu time tivesse feito gol
Mate uns dois passarinhos
e faz deles um jantar pra mim.
Se me queres,
enfim,
Diga somente a mentira
porque das verdades eu sempre desconfio.

Comentários Desativados em Meu bilhete


Os grandes amor
02/28/2012, 2:31 am
Filed under: Folhetim, Poesias

Encontrar o grande amor no carrossel

Encontrar o grande amor no parque

Encontrar o grande amor de anel

Encontrar o grande amor de embarque.

Encontrar o grande amor no recreio

Encontrar o grande amor na escola

Encontrar o grande amor de devaneio

Encontrar o grande amor de caraminhola

Encontrar o grande amor na piscina

Encontrar o grande amor no clube

Encontrar o grande amor de bailarina

Encontrar o grande amor de grunge

Encontrar o grande amor na rua

Encontrar o grande amor no bar

Encontrar o grande amor na sua

Encontrar o grande amor de lá

Encontrar o grande amor no comício

Encontrar o grande amor na biblioteca

Encontrar o grande amor sem juízo

Encontrar o grande amor sem cueca

Encontrar o grande amor na fila

Encontrar o grande amor no correio

Encontrar o grande amor na mentira

Encontrar o grande amor sem recheio

Encontrar o grande amor na travessa

Encontrar o grande amor no carnaval

Encontrar o grande amor sem pressa

Encontrar o grande amor sem sucursal

Encontrar o grande amor que resiste

Encontrar o grande amor que chora

Encontrar o grande amor que desiste

Encontrar o grande amor que devora

Encontrar o grande amor em qualquer lugar

Encontrar o grande amor em quem namora

Encontrar o grande amor e se reinventar

Inventar o grande amor a qualquer hora.

Comentários Desativados em Os grandes amor


Mesmo Sem Nós (MSN)
12/04/2011, 8:36 pm
Filed under: Poesias

O amor de um porto alegre
Rala o joelho do dedo fazendo almoço
E diz que o braço do violão parece uma torre
de transmissão
de não sei o que…

Você é meu amigo
Meus hiatos de dia a dia,
Violador de realidade,
Velho baiano,
Recheio de tardes vazias.

O amor de uma tela colorida
Faz um aquário da sua cozinha
E garante que o seu abraço
vai segurar um oceano
litros e litros de alegria.

Domingo vamos ficar em casa
e você vai provocar ciúmes
das coisas que não vivo
Só pra me ver brava e dizer
que bonitinho o bico que você fez.

Comentários Desativados em Mesmo Sem Nós (MSN)


Exemplos
08/11/2011, 6:34 pm
Filed under: Poesias

“Ser como as baratas,

que carregam escudos nas costas.

E não como os besouros,

que se vestem todos de armadura.

Não perder tempo como os vaga-lumes,

que lutam contra a escuridão fazendo furo nela.

Se aproximar das pessoas,

mas não fazer com elas o que toda a humanidade faz com as flores”.

Comentários Desativados em Exemplos


Eu não sou de cristal
08/09/2011, 2:36 am
Filed under: Poesias


Limpei e desabitei a casa
para inundá-la de palavras.
A mulher poesia tem café
ao invés de sangue
para falar do homem romance
que tem um coração de chocolate.

Daniela Mendes

Comentários Desativados em Eu não sou de cristal


Não durmo
08/08/2011, 7:04 pm
Filed under: Poesias

… e é um sono que insiste chegar.

Eu faço café,

arrumo meu quarto,

tomo sorvete,

atendo telefonemas de amigos,

marco coisas,

adianto o trabalho,

sigo adiante quando olho pro retrato,

para vida ser vida,

para a vida me servir

de alguma coisa que eu possa descartar.

Não me iludo

Não durmo mais.

Comentários Desativados em Não durmo